quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Oshougatsu: O Ano-novo japonês


A data é considerada sagrada e repleta de tradições para atrair saúde e prosperidade

Nada de roupa branca, abrir champanhe ou pular sete ondas. O oshougatsu, Ano-Novo japonês, é diferente do réveillon ocidental.

O Ano-Novo japonês, oshougatsu, é a comemoração mais importante do calendário do arquipélago. Além da passagem do ano velho e chegada do no­vo, Antes do Ano Novo, limpam-se as casas, se quitam as dívidas e prepara-se ou compra osechi, comida tradicional apresentada em bandejas lacadas que se elege por suas cores afortunadas, formas, ou nomes especiais com a esperança de que atraiam a boa sorte em diversas parcelas da vida durante o novo ano.

As casas ficam decoradas e as festas celebram-se com reuniões familiares, visitas aos templos ou altares, e telefonemas formais a parentes e amigos. No primeiro dia do ano (ganjitsu) costuma passar com membros da família.a festa continua por mais três dias ou até uma semana. O comércio, os bancos e as empresas fecham suas portas em um feriado nacional. Mas engana-se quem imagina que os nipônicos celebram esse réveillon vestidos de branco, bebendo champanhe ou pulando sete ondas em uma praia para depois cair na folia em um Carnaval fora de época, como ocorre no Brasil.

Muitos japoneses até se dirigem às praias mais famosas do arquipélago, como a ilha de Odaiba, em Tokyo, pa­ra ver shows de artistas de J-pop ou dan­ças tradicionais, em uma festa que normalmente termina com uma mo­desta queima de fogos. Con­si­derado sagrado pelos japoneses, o oshou­gatsu é, acima de tudo, uma data reservada para que a pessoa possa se purificar, fazer orações e dar boas-vindas ao ano que se inicia.
Conheça a seguir os principais costu­mes japoneses do oshougatsu. Mas antes uma curiosidade: em vez de saudar o fu­turo, como os ocidentais fazem ao dizer “Feliz Ano-Novo”, os japoneses agradecem pelos favores obtidos no ano que está terminando, di­zendo: “Akemashite omedetou gozaimasu!”

oseti

Um mês antes

A limpeza que purifica
A preparação para o oshougatsu começa cedo. Em novembro, as donas de casa japonesas fazem verdadeiras faxinas em suas residências, que chamam de oosouji, uma espécie de purificação. Acredita-se que é preciso entrar no novo ano com tudo limpo. Algumas aproveitam para colocar tatamis novos nas casas e trocar o papel utilizado nas divisórias ou portas corrediças (shouji). A limpeza se estende às empresas, e os funcionários são convocados para, em mutirão, dar uma geral no ambiente de trabalho. Também é costume fazer uma limpeza no segundo dia do ano.

Na véspera


As 108 badaladas dos sinos dos templos
Noite de 31 de dezembro. Em todo o Japão, é possível ouvir os sinos dos templos entoando as 108 badaladas para recepcionar o Ano-Novo. A cerimônia, conhecida como joya no kane, relembra os japoneses dos 108 pecados existentes no homem, segundo o budismo. Mas não são somente os budistas que aderem a essa tradição. Para a maioria dos japoneses, é hora de buscar a purificação e saudar o ano que chega.

fotos: arquivo made in japan

joya no kane

As refeições de ano-novo

1221_anonovo_osechi_ryouri.jpg
Osechi-Ryouri


Como não se pode tra­balhar nos dias do oshougatsu, as donas de casa japonesas têm de preparar as refeições para os três dias ante­cipadamente e com alimentos que possam durar esse pe­ríodo sem que se estra­guem. Surgiu, assim, a tradição de comer toshikoshi-soba (um tipo de macarrão) na última noite do ano. Outra tradição é beber saquê doce (otosô), que começa a ser servido pela manhã. Segundo os antigos, o vinho de arroz japonês traz saúde e vida longa. Sendo assim, saúde, ou, em japonês: kampai!

A refeição de Ano-Novo é o osechi-ryouri, um banquete especial que inclui diversos pratos preparados antes das festividades, dispostos em uma caixa de madeira laqueada (juubako).

1221_anonovo_saque_doce.jpg

otosô

1221_anonovo_juubaku.jpg
Juubako


O principal prato é o ozouni, uma sopa à base de mochi, vegetais, frutos de mar e, às vezes, carne. Quem come o ozouni no oshougatsu terá sorte e a graça dos deuses durante o ano. Uma lenda levada pelos chineses ao arquipélago há mais de mil anos afirma que quem comer mochi no Ano-Novo estará comendo o espírito do arroz, enriquecido pelos deuses. O bolinho de arroz que compõe o prato é oferecido aos deuses antes das comemorações do oshougatsu.

1221_anonovo_ozouni.jpg


ozouni

Agradecimento aos Deuses
No oshougatsu, não pode faltar okagamimochi. Feito de dois bolos de arroz (mochis) dispostos um sobre o outro e decorados com papel japonês, folhas de matsu (semelhantes a folhas de pinheiro) e daidai (espécie de laranja nipônica), o kagamimochi é colocado sobre um altar como forma de agradecimento aos deuses budistas e xintoístas, especialmente Toshigami, o deus que, segundo a lenda, costuma visitar as residências no Ano-Novo.

1221_anonovo_kagamimochi.jpg

kagamimochi

Boa sorte e proteção

1221_anonovo_heisoku.jpg
Heisoku

Enfeite que simboliza a boa sorte e a proteção das casas contra o mal, oheisoku é uma dobradura sem corte confeccionada em papel japonês (washi). Ele deve ser feito pelo chefe da casa ou, na falta desse, pelo primo­gênito. As mulheres não podem fazê-lo, pois isso poderia gerar ciúmes na deusa Amaterasu, a quem é dedicado.

CIMG2983

Curiosidade : pelo sistema de contagem de idade do japão, a pessoa fica um ano mais velha no dia 1º de janeiro. De acordo com essa contagem, a criança quando nasce no Japão é considerada como tendo um ano de idade e no dia primeiro de janeiro do ano seguinte terá dois anos. Por essa razão, costuma se dizer no ano novo: “MATA HITOTSU TOSHI O TOTTA” algo como,”Fiquei um ano mais velho.”

fonte : http://madeinjapan.uol.com.br

http://stupidcute.geekgirl.com.br

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Vogue Girl coreana

Decidi dividir com vcs aqui no blog algumas das fotos lindas que eu acho aí pela internet. Vou começar com esse ensaio da revista VOGUE GIRL coreana. Essa revista tem ensaios bem lúdicos e super girlie! Esse daqui tem como tema a história da Thumbelina, a menina que é do tamanho de um polegar (acho que em português é Polegarzinha), casa com um principe do mundo das fadas e vira princesa fadinha. Adorei o detalhe do cabelo cor de rosa, e vcs? ^^"










Lindinho, né? ^^"
Espero que tenham curtido! Deixem um recado aqui dizendo se gostaram!!!


Moda Gótica


Quem já viu esse mangá super kawaii "Vampire Kisses" ?
Pra quem não sabe, conta a história de Raven é uma garotinha gótica muito determinada e fofa, que não tem medo de nada! Nem das meninas fofoqueiras do colégio. Sabe aquelas que adoram falar mal dos outros, excluir quem é diferente e que se acham a cereja do bolo? essas tb perseguem a Raven com frequência!


Outra coisa que eu gostei na Raven é que ela tem um estilo muito fashion! Ela usa meias listradas, tictacs de caveirinha, cintos de tachinhas, coturnos e tem uma jaqueta de ossos muito linda!!! Eu lembrei o quanto acho divertida a moda gótica! Por isso estou fazendo um post aqui no meu blog a respeito do assunto! :)
Bom, a moda gótica nasceu no comecinho dos anos 80, com a cultura punk. De lá pra cá surgiram vários novos gêneros góticos. Gothic-Punk, Cyber-Gothic, Gothic-Lolita, Vitorian Gothic, Emo-Gothic...


Tem os góticos que adoram vampiros, como a Raven! Tenho certeza que ela usaria esses broches na mochila do colégio, vcs não acham? Coturnos, meias de listras PB (um ítem bem clássico usado pelo Tim Burton e muito presente entre os emo-góticos), sainhas com volume e parte de cima no estilo corset, quase uma bailarina. O material "vinil", aí presente no coturno e na mochila são também usados com frequência, e fazem um link com o sadô-masô. Bem o visual dela!


Também tem o gótico-chique, que traz uma proposta meio vitoriana, tudo a ver com o estilo "vampiros de antigamente" fazendo um look bem mais elegante. Super refinado, mas sempre cheio de preto e com ícones clássicos como rosas e morcegos. Esses trocam o coturno por um sapato mais chique, mas sempre preto. Muitos acessórios finos.



Tem os góticos que curtem essa vibe de vampiros, que adoram usar roupas que lembrem o figurino de Drácula. A cor, quando existe, vem sempre em tons escuros: verde, vinho, roxo. Caveirinhas são um ícone, já que a gótico lida muito bem com a morte. Vampiros são mortos-vivos, afinal de contas! Sem falar nessas de ir no cemitério. Porque será né? Se você é um gótico e está lendo isso, responda pra gente! :)


Aqui eu montei um look gótica-fofa! Coturnos grandes, meinhas listradas, vestidinhos fofos estampados, acessórios com brilhos, caveirinhas, lacinhos, corações e alguns spikes e correntes. Uma versão bem mais 
light do estilo, né?


As Gothic-Lolitas nasceram no Japão. Uma mistura do estilo Lolita, que é algo como a idéia de vestir-se como uma boneca vitoriana (o que faz sentido lá, afinal as japonesas são pequeninas e tem carinha de criança) com o estilo gótico. Elas são famosas e muita gente visita os bairros Shibuya, em Toquio, para vê-las passeando aos domingos. :)


O Cyber-gótico é um visual com muito tecido sintético, coturnos de solado bem alto, com um quê de Marilyn Manson. Na gringa tem muitos cybers, eles costumam usar esses óculos estilo gogle, as vezes até modelos de esquiar na neve. Coisas bem grandes e exageradas!
Acho que hoje em dia está cada vez mais difícil rotular um grupo. A todo momento as tribos se misturam e geram sub-tribos novas, adaptadas de maneiras diferentes pelas novas gerações. De qualquer modo é legal entender de onde veio cada coisa quando vamos fazer a nossa própria mistura para criar o nosso estilo. Todas as composições aí em cima foram montadas pela MariMoon , espero que tenham curtido! ^^"
Agora me digam...

Qual desses sub-estilos góticos vcs gostaram mais? :)

Cansei de tanta cor


>
É... Hoje em dia não tem mais tribo. Até os anos 90 rotulava-se todo mundo: você podia ser grunge, cluber, punk, gótico, patricinha, básica... Mas, hoje em dia, se você encontrar uma pessoa que pareça muito ser gótica, ela provavelmente vai se irritar se você chamá-la assim. E eu, que sempre fui uma mistureba de muitas coisas , me irritava demais com essa mania de enquadrar as pessoas em grupos. Oras, nós somos nós mesmos. Cada um tem sua mistura de influências e referências, não precisa ter nome pro estilo. Não é verdade?

Estou falando tudo isso porque eu queria fazer um post sobre essa cultura gótica. Enfim, seja qual for o nome, é um estilo que eu curto muito. Ainda mais em tempos de overdose de cores, é bom dar uma pausa e curtir os tons de cinza... ;)

E antes que comentem aqui dizendo que povo é uó e só pensa em se matar, Tim Burton disse numa entrevista à Mtv que essas pessoas são incríveis e muito doces. E que geral julga os outros mais pela maneira de se vestir do que pelo que eles têm em seus corações. >

Para entender um pouco mais sobre a cultura dark, eu recomendo esse livro :

"GOTH CHIC" - Gavin Baddeley